31 de dez de 2007

Feliz 2008!!!

Viva não apenas exista. Seja forte em todas as situações. Quando quiser, ria, dê grandes gargalhadas, ria dos seus defeitos e de quem põe defeitos em você, das besteiras que seus amigos falam, ria de tudo que puder. E não pense que a felicidade é eterna, existe apenas momentos em que ela existe. Abrace forte, é preciso amar as pessoas como se não houvesse o amanhã, ame e deixe ser amado. Dance La Bamba com a maior empolgação do mundo, vá em festas, se divirta. Ame seus pais, sua família, é eles que vão estar sempre do seu lado, as pessoas mais importantes na sua vida. Faça amigos e diga pra eles o quanto os ama sem nenhum medo de má interpretação, eles são aqueles que tocam na sua ferida numa mesa de chopp, acompanham suas vitórias e fazem piadas amenizando problemas, são a família que Deus nos permite escolher. Sonhe e realize esses sonhos e não tenha medo de errar, uma vida gasta cometendo erros não é mais honrada, mas é mais útil do que uma vida gasta fazendo nada.

27 de dez de 2007

Comece 2008 com o pé direito

Thays Petters

Conheça as principais simpatias para garantir um ano novo repleto de sucesso e felicidade


Quem é que nunca pulou sete ondas, comeu doze uvas ou sete romãs, acendeu velas e ainda provou a lentilha, as nozes e as castanhas?
As simpatias, trazidas de várias partes do mundo já fazem parte dos costumes brasileiros no final de cada ano. Os fiéis querem garantir a saúde, a riqueza, a prosperidade e principalmente o amor.
Se elas realmente funcionam? Eles garantem que sim e afirmam que o fator mais importante para qualquer simpatia é a fé.
Hoje, o Gazeta Shop selecionou as prncipais simpatias para descarregar as energias negativas, atrair dinheiro, amor e sorte para 2008. Conheça algumas delas:

Dinheiro: Para atrair boas vibrações e ganhar dinheiro no ano que se aproxima é preciso fazer um chá com um ramo de salsa, uma colher de sopa de pó de canela, uma noz-moscada ralada, uma colher de mel e uma colher de chá de gengibre ralado. Deixe amornar e depois coe. Tome seu banho normalmente e depois jogue lentamente a mistura sobre o corpo. É importante que ele seque sozinho, sem o auxílio da toalha. Faça esse banho no último dia do ano.

Amor:
Inúmeras são as simpatias para atrair um grande amor. A mais comum delas é a da meia noite. Quando os ponteiros do relógio marcarem este horário, a primeira pessoa que você irá cumprimentar deve ser do sexo oposto, para garantir um novo amor ou manter firme e forte o que você já tem.

Novas Energias:
Pule com o pé direito à meia-noite para atrair boas energias na sua vida ou então, dê três pulinhos com uma taça de champanhe na mão, sem derramar. Depois, jogue toda a champanhe para trás, sem olhar, de uma só vez, deixando tudo de ruim para trás.
No dia 31 de dezembro, ferva água e coloque folhinhas de arruda, alecrim, manjericão, malva-rosa, malva-branca, manjerona e vassourinha para o seu banho. Espere esfriar e jogue a água sobre a sua cabeça, eliminando todas as energias ruins e te deixando mais aliviado.

Sorte:
No dia 31 de dezembro, varra a casa dos fundos para a frente e coloque o lixo para fora de casa. Para afastar o mau olhado, lave os batentes das portas com sal grosso e água. Borrife água benta pelos quatro cantos da casa. Depois é só providenciar flores amarelas e espalhá-las pelos cômodos.

Lembre-se de fazer tudo com muita calma e não espere que ela faça tudo sozinha. Crie oportunidades para ser feliz e o mais importante; acredite sempre em você!

Um feliz 2008 para todos!

A famosa cintura alta...

Thays Petters

Engana-se quem pensa que a cintura alta será o top do próximo inverno.
Os consultores de moda garantem que o estilo americano não deve permanecer com tanta força no Brasil.
Um dos principais motivos é que as brasileiras adoram aquela cinturinha baixa que destaca o bumbum e é mais confortável, além de que, uma pessoa com alguns quilinhos a mais já não pode desfrutar desta nova moda.
O porquê disso? A estilista brasileira da Levi´s, Renata Bizarro, explicou em entrevista a um site de moda, que a cintura alta emplaca mais desvantagens do que vantagens ao mulherio. Segundo ela, existem dois tipos de cintura alta; aquela que fica realmente na cintura e a que sobe alguns centímetros. A primeira opção pode até ser usada por quem tem uma barriguinha, mas a atenção deve ser redobrada, pois ela pode achatar o corpo e alargar o quadril. A estilista dá a dica de usar calças de cores escuras e boca mais aberta, dando a ilusão de pernas mais compridas.
Já as magras, podem usar todos os tipos, sejam as cinturas altas ou as “bem” altas.
Vale lembrar que a calça do momento no Brasil ainda é a Skinny, mas as bocas de sino, as famosas pantalonas devem ser o auge no inverno 2008.

Com que roupa eu vou?


Thays Petters

A procura pela cor da roupa para o Réveillon faz parte das inúmeras simpatias dos brasileiros que pretendem começar o ano com o pé direito

Há quem diga que o melhor mesmo é sentir-se bem, mas os especialistas garantem que aliar os desejos a uma das tradicionais cores do ano novo é uma forma de expressar ainda mais os pedidos para um ano repleto de realizações.
O primeiro passo para começar bem 2008 é refletir sobre o ano que passou. Analisar os acontecimentos e ter em mente o que você deseja para começar bem o ano. Depois disso, é deixar a imaginação fluir e adequar o seu gosto a uma peça confortável e que transmita boas energias.
Para não errar com a sua cor, vale lembrar o significado de cada uma delas para uma noite super especial.
Branco: A cor da Paz Universal. Você terá um ano repleto de paz, sabedoria, verdade e calma. O branco ainda repele as energias negativas e eleva as boas vibrações. Ele estimula a memória e gerencia o equilíbrio interior.
Vermelho: Muita paixão, força e energia. Unhas pintadas e lingerie vermelha já garantem resultados.
Rosa: A delirante cor do amor. Felicidade, beleza, sintonia e pureza em 2008. O rosa também afasta as energias negativas.
Azul: Tranqüilidade. A cor do céu e do mar traz paz de espírito, segurança, harmonia e saúde.
Verde: Equilíbrio. O verde representa as energias da natureza. A esperança, o recomeço, a harmonia. Renova as energias e traz vida nova.
Laranja: Sucesso monetário e profissional. Se você está à procura de um emprego ou de ser promovido na empresa, esta é a cor essencial.
Violeta: Inspiração. O violeta ou o roxo traz um ano cheio de imaginações e estabilidade. Esta cor também eleva a auto-estima e ajuda a manter o foco nos seus objetivos.
Marrom: Sugere segurança e solidez. Ideal equilibrar com acessórios em verde, amarelo, azul-bebê ou vermelho.
Amarelo: Dinheiro, riqueza e sabedoria. A cor também ajuda a estimular a intuição.


Para o Consultor de Moda da Bambina Clasic, Marcelo Fontanella, a forte tendência para o Réveillon é o dourado, que une-se ao amarelo nos significados. “O dourado voltou com tudo de uma forma geral. Na decoração, na moda, em acessórios e jóias ele está presente”. De acordo com a ocasião, as mulheres podem optar pelos vestidos longos ou não e investir na seda para uma noite brilhante.
Já os homens têm agora uma nova opção, com os paletós de verão, que podem ser usados com bermudas ou calças, além dos sapatos mocassin, que também levam uma fivela dourada, dando todo o charme e bom gosto.
Mas há os que prefiram passar o ano novo na própria casa, recebendo amigos e parentes para uma grande festa. Como o clima está acessível, uma roupa com cores tropicais é a melhor dica. “Muito colorido e cores como amarelo limão, laranja e azul” destaca Fontanella. Além disso, para quem segue a risca a moda das passarelas, as cinturas altas estão com tudo, tanto nas calças e shorts, quanto nas saias e vestidos. Sandálias rasteirinhas e plataformas para as mulheres também formam um maravilhoso look.
Com todas estas dicas, você já pode montar um figurino arrasador e esperar um ano novo cheio de boas energias e transformações.

22 de dez de 2007

Estou de volta a todo vapor!!!!


Minhas férias? Elas foram ótimas! Depois de dois anos, eu merecia ficar de frente pro mar tomando uma água de coco geladinha e vendo um monte de gurizinhos correr pela praia!

Como combinado, irei resumi-las aos meus amigos curiosos de plantão! Hehe

Saí de Foz no dia 5 de dezembro e cheguei em Balneário dia 6 bem cedo!

Como disse minha tia que foi me buscar na rodoviária, eu levei a chuva pra eles!

Aquele dia, caia a chuva que Deus mandava... hehe e eu passei o dia no apartamento de frente pro computador. Quando a chuva deu uma trégua eu fui passear pela Avenida Atlântica, mas me molhei inteira, porque a garoa ainda estava forte. Mas, como toda turista, eu estava faceira! Ter aquela vista privilegiada já estava valendo!

No dia seguinte, eu e minha prima Danuza acordamos bem cedo e fomos pra praia Brava em Itajaí. Pra quem não conhece... eu recomendo! O lugar é lindo! Fantástico e por lá também rolam as melhores baladas da praia, que por sinal, aproveitamos tudo!

A semana foi resumida em dias ensolarados e muita diversão! Senti um pouco a falta dos meus amigos. Não adianta, nada melhor que pessoas que você já conhece fazendo a festa contigo.

Mas valeu também ter conhecido algumas amigas da minha prima. Super simpáticas e queridas, que festaram a noite inteira!

No domingo, fui pra Ctba e encontrei com amigos que eu não via a algum tempo.... Apesar de não gostar muito daquela cidade, a experiência valeu!
Bom, estou completamente sem criatividade para escrever, é apenas pra não deixar esse blog desatualizado!

Beijos em todos e Boas festas!!!

Até!

4 de dez de 2007

FÉRIASSSSSSSS


Caros amigos e leitores, o fato é: Estou indo!!(hehe)

Depois de dois anos sem férias, estou tirando meu tão sonhado e merecido descanso!
Amanhã estou indo para Balneário, a minha terrinha querida e amada!
Ficarei alguns dias sem postar, mas quando voltar podem estar certos de que
contarei os detalhes!!!!

Então um beijo a todos e boas festas!!!!

30 de nov de 2007


"Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente quem destrói o seu amor próprio, quem não se deixa ajudar.Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias o mesmo trajeto, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor, ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente quem faz da televião o seu guru. Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco, e os pontos sobre os is em detrimento de um redemoinho de emoções, justamente as que resgatam o brilho nos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da má sorte ou da chuva que cai incessante.
Morre lentamente quem abandona um projeto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe. Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples fato de respirar.Somente a perseverança fará com queconquistemos um estágio esplêndidode felicidade."

Pablo Neruda

29 de nov de 2007

"Sempre desprezei as coisas mornas, as coisas que não provocam ódio nem paixão, as coisas definidas como mais ou menos. Um filme mais ou menos, uma balada mais ou menos. Tudo perda de tempo.
Viver tem que ser perturbador! É preciso que nossos anjos e demônios sejam despertados, e com eles a raiva, o orgulho, a paixão, a adoração, ou o desprezo. O que não me faz mover um músculo, o que não me faz estremecer, suar, desatinar, não merece fazer parte da minha bografia"

(Autor desconhecido)

28 de nov de 2007

Olimpíadas do Saber deve atrair 9 mil crianças

Thays Petters

Tem início no dia 2 de dezembro as “Olimpíadas do Saber” em Foz do Iguaçu. Ao todo, 52 escolas municipais participam do campeonato que deve reunir aproximadamente de 9 mil crianças de 1ª a 4ª séries da Rede Pública de Ensino. A grande festa de abertura acontece no Ginásio de Esportes Ministro Costa Cavalcante, logo depois, as atividades serão divididas nas Escolas Municipais; Leonel Brizola e João da Costa (Três Lagoas), Darci da Nata (Morumbi), Érico Veríssimo (Jardim São Paulo), Padre Luide (Vila C), Escola da Ponte da Amizade e Sesc.
O projeto, organizado pela Secretaria de Educação, em parceria com a Fundação Cultural, Guarda Municipal, Secretaria do Meio Ambiente e Secretaria de Esporte tem como objetivo oportunizar as crianças, criando alternativas para que elas apresentem tudo o que aprenderam durante o ano letivo. De acordo com a Secretária de Educação, Maria Bernardete Sidor, a Olimpíada é uma forma de descobrimento do aluno. “Para a criança, a competição é o momento pedagógico mais completo. É na Olimpíada que ela desenvolve ainda mais o talento pelo saber e pela arte”.
Os participantes irão responder questões desenvolvidas na própria escola nas matérias de Português, Matemática, Artes (Pintura, escultura, desenhos, poesia, música, teatro, corais e dança) e Esporte.
Segundo Bernardete, a Olimpíada também serve para avaliar a educação passada nas escolas. “Com a Olimpíada, podemos garantir o nível de ensino passado para as crianças” finalizou.
O encerramento acontece no dia 8 de dezembro, a partir das 10h00, com desfile na Avenida Brasil, reunindo todos os medalhistas e suas famílias.

27 de nov de 2007


Portal H2FOZ
Na próxima quinta-feira, 29, será lançada a nova versão do portal H2FOZ no Iguassu Golf Club & Resort. O site passou por uma série de modificações, adaptando as novidades ao gosto do leitor. O novo portal tem espaço privilegiado na página inicial para as notícias, entrevistas e artigos sobre turismo, fronteira e Mercosul. O site terá também uma área especial para notícias regionais, além da reprodução de informações da Agência Estado, com destaque ao projeto gráfico mais aprimorado, com a criação de serviços, espaço multimídia e uso de software livre. Esta é a primeira reformulação do H2FOZ, que foi lançado em outubro de 2003, com o apoio do trade turístico de Foz do Iguaçu.

26 de nov de 2007

“Um Canto de Amor a Foz”
No dia 8 de dezembro, a Fundação Cultural lançará o cd “Um canto de Amor a Foz”, dentro da programação da Semana da Arte de Foz do Iguaçu. O cd é resultado do Festival de Música realizado durante a 31ª Fartal. O material é composto pelas 10 músicas finalistas do festival, com uma coletânea de vários ritmos. A tiragem será de 500 exemplares e cada compositor receberá 30 cópias. A gravação estava prevista no regulamento como uma forma de registro fonográfico do festival e valorização do trabalho dos compositores que se inscreveram e participaram.
O objetivo do Festival era homenagear a cidade pelos 93 anos de emancipação política e administrativa, além de incentivar a produção artística dos iguaçuenses. Ao todo participaram do concurso 16 músicas. Depois de duas seletivas, um grupo de maestros e músicos da cidade escolheu as 10 finalistas. O regulamento previa que podiam participar apenas compositores residentes na cidade.

24 de nov de 2007

O Lar dos Anjos precisa da sua ajuda


Entidade que atende crianças e adolescente necessita do apoio da comunidade para finalizar as obras na sede

Thays Petters

O Lar de Apoio à criança e ao adolescente (LACA) precisa da ajuda da comunidade para finalizar a reforma de sua sede, no Bairro Beverly, em Foz do Iguaçu. A obra está sendo feita para se adequar às exigências da Vigilância Sanitária e oferecer maior conforto as crianças e adolescentes que estão abrigados na casa-lar.
A entidade, também conhecida como Lar dos Anjos, funciona em regime de abrigo temporário, atendendo crianças e adolescentes de 0 a 18 anos em situação de risco ou sub judice, portadoras ou não do vírus HIV. Para atender as necessidades destas crianças é que a instituição está ampliando a lavanderia, construindo um Lactário (espaço destinado à higienização, esterilização, preparo e guarda de leite) e uma Ludoteca (local onde a criança irá desenvolver recursos motores, didáticos e pedagógicos através de brinquedos lúdicos).
Como explicou a Assistente Social, Wanderleia de Andrade, o LACA oferece tratamento psicológico e social às crianças e suas famílias, sobrevivendo apenas de doações de empresas, pessoas físicas e eventos organizados pela instituição em parcerias com órgãos públicos. “O Laca só é o que é hoje graças às doações” afirma.
Segundo ela, mesmo com grupos de voluntários e empresas amigas da entidade que colaboram com cestas básicas, roupas e brinquedos, a falta de recursos financeiros ainda prejudica o andamento da obra. “Não temos data prevista para terminar a reforma”.

Instituição
O Laca oferece há quase sete anos abrigo temporário a crianças e adolescentes portadores do vírus HIV ou filhos de pais portadores. O principal objetivo da instituição - que atende atualmente 12 crianças - é assegurar os direitos da Constituição Federal e Estatuto da Criança e do Adolescente, promovendo o bem estar e realizando trabalhos psicológicos e sociais com os abrigados e suas as famílias.
O apoio às famílias também é realizado através de doações de cestas básicas e roupas, na medida em que estes materiais chegam a casa-lar. Os remédios para os tratamentos são fornecidos pelo Governo Federal, através do SUS (Sistema Único de Saúde).
Todas as doações feitas por órgãos privados e pessoas físicas servem de subsídio para o sustento do abrigo e dos profissionais que atuam no local. Nenhum órgão repassa mensalmente verbas para o sustento do LACA. “A prefeitura ajuda disponibilizando dois educadores” completa.
Parcerias com a Itaipu Binacional, Receita Federal e Câmara de Vereadores auxiliam nos serviços prestados pela instituição.

Festa Kitsch
Na última quarta feira, 21, uma turma de estudantes de Comunicação Social da UDC, ao lado da professora Carmen Lucia Fagundes e do Grupo de Circo Troupe Luz da Lua (http://http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=14423640195267184004) realizavam uma grande festa com as crianças da instituição.
O motivo de tanta alegria era a doação que os acadêmicos repassaram ao Lar dos Anjos, com a arrecadação da 2ª Festa Kitsch, realizada no dia 15 de novembro, na Casa de eventos Mansão Green. Além da verba doada a entidade, os estudamtes também entregaram uma máquina fotográfica digital, que foi usada no mesmo dia para registrar o momento. “Para nós, toda e qualquer ajuda é bem vinda” afirmou a assistente social Wanderléia de Andrade.
Para o integrante da Troupe Luz da Lua, Felipe Piwi, a intenção do grupo é levar e oportunizar a arte para quem não tem acesso a ela. “A risada de cada uma dessas crianças é o mais gratificante do nosso trabalho”, concluiu.

21 de nov de 2007

Fundação Nosso Lar lança projeto “Adote uma Família"




Empresas e pessoas físicas podem doar uma cesta de natal para as famílias cadastradas na instituição

A data mais importante do ano está chegando, e com ela a expectativa em reunir amigos e familiares para uma grande festa. A emoção de viver uma noite de Natal encantadora não é diferente para dezenas de crianças da Fundação Nosso Lar. Pensando nisso é que a instituição criou o projeto “Adote uma Família”, onde empresas e pessoas físicas podem contribuir com uma cesta de Natal para as famílias cadastradas na Fundação.
Segundo a diretora dos projetos da Fundação Nosso Lar, Ivania Ferronatto, o trabalho desenvolvido pela instituição tem como principal objetivo a reintegração da criança ou adolescente com a sua família biológica. “Cada criança que chega a Fundação traz com ela sérios problemas familiares, que precisam do apoio e ajuda da instituição”.
Por isso, são desenvolvidos atividades e atendimentos psicológicos e sociais, para que a criança volte a sua família de origem e possa se equilibrar na sociedade. “A criança só consegue ser ela mesma, se reerguer, se a família também fizer isso por ela” afirmou.
Aproximadamente 100 famílias são acompanhadas pela Fundação Nosso Lar e recebem auxilio de empresas e pessoas que se dispõem a oferecer desde ajuda material até apoio emocional e afetivo.
Especialmente para este Natal foi criado o projeto “Adote uma família”, onde qualquer empresa ou pessoa pode fazer a doação de uma ou mais cestas de Natal para as famílias cadastradas. Como explicou Ivania, a maioria das crianças tem sonhos e desejos no dia de Natal. “Tem coisas que eles adorariam ter, como o leite condensado, o creme de leite, a aveia e até o sucrilhos”.
Os interessados em fazer a doação devem entrar em contato com a Fundação Nosso Lar pelo telefone 3025-2440. As cestas serão entregues para as famílias no dia 22 de dezembro.

Projetos
A Fundação Nosso Lar está há 11 anos atendendo crianças e adolescentes que precisam de abrigamento temporário. Para resgatar estes jovens e restabelecer novamente um convívio familiar, a Fundação também investe no atendimento as famílias.
Dentre muitos projetos desenvolvidos dentro da entidade, um deles é o “Apadrinhamento Familiar”, onde os voluntários podem adotar uma família e oferecer desde ajuda material até orientação e apoio afetivo. As formas de apadrinhamento podem ser através da compra de materiais de higiene e limpeza, alimentação, fraldas e leite, roupas, medicamentos, móveis e utensílios, cestas especiais (natal, páscoa, dia das crianças), vestuário, pagamento de aluguel, água ou luz, etc.
Outro projeto importante é o “Adote um sonho”, em que a pessoa pode oferecer alguma atividade que seja de vontade da criança, como curso de inglês, dança, canto, informática etc.
De acordo com Ivania, os problemas sociais não terminarão apenas com movimentos do Governo Municipal, Estadual e Federal. Para ela, a sociedade deve se mobilizar, mesmo com pequenas ações, para que as famílias ingressem novamente no mercado de trabalho e as crianças tenham um futuro digno dentro da comunidade. “Ou a sociedade se mobiliza ou essas pessoas vão continuar sendo excluídas”.

20 de nov de 2007

Cabelo..Cabeleira...Cabeluda....Descabelada!


Outro dia estava lendo o blog da aline http://alineaa.blogspot.com/ e vi um texto que falava sobre cabelos.
Por incrível que pareça, fiquei pensando neste assunto.... e percebi que o cabelo (pra minha vida) faz toda a diferença!
Quem me conhece há pelo menos um ano sabe a mudança radical que fiz no meu cabelo, e acredito que um novo corte não é apenas uma mudança de visual, mas de personalidade.
Eu realmente me descobri de cabelo curto.

Quem lê deve pensar: - O que essa louca era antes então?
Bom, eu era a Thays... a Thays cabeluda, que uma vez foi loira, depois morena e de repente tosou a juba.
Me lembro do dia em que folhava uma revista de moda, e vi um corte lindo, maravilhoso, exuberante! Quando deu 6 hrs da tarde, chamei a Aline (a mesma do blog ali em cima) e ela me acompanhou até o salão do meu amigo Felipe Mendonça. Chegando lá, mostrei pra ele a foto da revista e ele já abriu um olhão (deeeeesseeee tamanho).
Tem certeza Thays?
E eu mais faceira que gorda de camisa nova disse: É claro que sim!
Então, ele amarrou meu cabelo e num passe de mágica eu estava quase careca.
Pensem no susto!
Logo em seguida ele deu aquele rabo de cavalo pra eu segurar...e eu olhava aquele cabelinho indo embora.... (juro que pensei: aiai...que besteira que eu fiz).
Então, o corte começou a tomar jeito...e ele picotava daqui, picotava de lá!
Minha gente... no final... eu era outra pessoa!
Estava feliz! Linda leve e solta!(haha)
Todos que estavam no salão (Felipe, Aline, Regis e eu) ficaram pasmos!
Então... é chegada a hora de sair a rua.
Toda mulher sabe, que quando ela pinta o cabelo já é difícil se acostumar...
Imagine quem quase fica careca?! (exageros a parte).
Então, fui até a faculdade e nunca (mas nunca mesmo) vou me esquecer da cara das pessoas. O Anderson parecia pular de alegria. A Edla ficou doida! A Aline já nem acreditava mais... e a Mimo disse: Até quem enfim ta com cara de jornalista!
Bom, o fato é que a maioria gostou e eu me senti bem demais. Porque querendo ou não, nós ligamos pro que os outros falam. NÃO adianta dizer que não, porque é verdade. Nem que seja um pouquinho. Nós adoramos receber um elogio e ficamos chateados quando ninguém gosta da mudança.
Então...de lá pra cá, meus dias são mais coloridos e criativos!
Eu vivo a cada dia com um jeito diferente de arrumar meu cabelo.
Definitivamente estou satisfeita com o “modelito”!

14 de nov de 2007

Um amor de verdade...


Você está sozinho. Você e a torcida do Flamengo...


Em frente à tevê, devora dois pacotes de Doritos enquanto espera o telefone tocar.Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.Trimmm! Trimmm! (quem mais poderia ser?)
Amor nenhum faz chamadas por telepatia. Amor não atende com hora marcada.Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase “galinha”, sem disposição para relacionamentos sérios. Ele passa batido e você nem aí. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido da vida, desconfiado, cheio de olheiras. O amor dá meia-volta, volver.Por que o amor nunca chega na hora certa? Agora, por exemplo, que você está de banho tomado e calça jeans? Agora que você está se achando bonito? Agora que você está empregado?Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz? Agora que você está com o coração às moscas e morrendo de frio? O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina.

Você passa um ano inteiro hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga e mal repara em outro alguém que só tem olhos para você. Ou então, fica arrasado porque não foi pra praia no final de semana, os seus amigos estão lá, azarando-se uns aos outros. Sentindo-se um ET perdido na cidade grande,você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido à sua vida. O amor é como tesourinha de unha: nunca está onde a gente pensa.
O jeito é direcionar o radar para norte, sul, leste e oeste.Seu amor pode estar no corredor de um supermercado, pode estar impaciente na fila do banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro.Pode estar aqui mesmo, no computador, dando o maior mole.
O amor está em todos os lugares, talvez você não o procure direito.A primeira lição está dada: o amor é onipresente. Agora a segunda: o amor é imprevisível.Jamais espere ouvir “eu te amo” num jantar à luz de velas, no dia dos namorados.
Ou receber flores logo após a primeira transa. O amor odeia clichês. Você vai ouvir “eu te amo” numa terça-feira, às quatro da tarde, depois de uma discussão, ou quando você menos esperar. E as flores vão chegar num dia qualquer apenas para informar-lhe como você é especial para alguém.Assim... sem um motivo ou data especial.Espalhe que o amor não é banal. E que, embora estejam distorcendo o sentido verdadeiro dele nos tempos modernos de hoje, ele existe e é o ingrediente mais importante da vida, a própria porção mágica da Felicidade.


192: Ele pode salvar sua vida

Projeto visa sensibilizar iguaçuenses dos trabalhos realizados pela equipe de profissionais da saúde

A equipe de profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) quer sensibilizar a comunidade sobre os serviços realizados pela unidade de socorro. Apesar de realizarem atendimentos de vital importância à comunidade iguaçuense, o número de trotes e as chamadas desnecessárias congestionam as linhas telefônicas e prejudica a prestação de serviço a quem realmente precisa.
Inaugurado em junho do ano passado, a média diária de atendimento é de 37 casos, totalizando mais de 13,6 mil atendimentos em 17 meses.
Trabalham no SAMU 64 funcionários, entre auxiliares de enfermagem, enfermeiros, médicos, técnicos auxiliares de regulação médica (TARM), condutores de veículos e estagiária. O serviço conta ainda com: quatro ambulâncias, sendo três Unidades de Suporte Básica (USB) e uma Unidade de Suporte Avançada (USA).
O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência funciona 24 horas por dia atendendo às urgências de natureza clínica, pediátrica, cirúrgica, gineco-obstétrica e de saúde mental da população. O trabalho visa assegurar suporte de primeiros socorros e sobrevida dos pacientes.
“Quando alguém da comunidade liga para o número 192, o técnico auxiliar de regulação médica atende ao telefone, anota endereço, proximidades, nome da vítima, nome do solicitante e queixa principal. Essas informações são repassadas para o médico que fará a triagem e classificação do nível de gravidade dividida em: pequena, média ou severa. O médico também orienta o acompanhante ou a vítima do que ela pode ou não fazer enquanto a ambulância é encaminhada até o local”, explica o coordenador geral do SAMU e médico Moisés Carvalho.
De acordo com ele, são atendidos casos graves como acidente vascular cerebral (AVC) conhecido como derrame, ameaça de infarto ou infarto, mal súbito, gestante em trabalho de parto ou sob ameaça de abortamento e outras situações de agravamento da saúde.

Campanha
Para tentar sensibilizar a população sobre a correta utilização dos serviços do SAMU, os profissionais vão promover uma campanha de conscientização. De acordo com a enfermeira Maria Argentina: “os iguaçuenses ainda estão desinformados quanto ao trabalho de urgência realizado pelo SAMU, o que acarreta em transtornos a quem espera pelo atendimento”, explica. Segundo ela, o SAMU atende mais de seis mil chamadas por mês e cerca de 30% dos telefonemas são trotes. “ Recebemos mais de 1.800 trotes todos os meses e isso prejudica o atendimento às pessoas que estão precisando de socorro”.
A enfermeira antecipa que a partir do ano que vem, será implantado um projeto de conscientização nas escolas, para que alunos e comunidade conheçam os serviços e saibam quando devem realmente ligar. “A população deve reconhecer quando é uma questão de urgência”, frisa.
Os casos de atendimento do SAMU incluem: Problemas cardíacos e insuficiência respiratória, infarto, intoxicação por medicamentos, veneno, drogas ou álcool, vítimas de agressão (crianças e mulheres), trabalho de parto, hipoglicemia, tentativa de suicídio, crise hipertensiva, problemas psiquiátricos, surto psicótico e transferência inter-hospitalar a pacientes com risco de morte.
Já os casos de traumatismo em geral, acidente de arma de fogo, arma branca, acidente de carro, agressão física, afogamento e queimaduras são de responsabilidade do SIATE que atende pelo telefone 193.

13 de nov de 2007

Os cuidados com a tatuagem no verão


Conheça os procedimentos necessários para realizar a modificação corporal na época mais quente do ano


Se no inverno uma pessoa é tatuada por dia em Foz do Iguaçu, no verão esse número sobe para dez. Essa é a época em que todos querem desfilar seus corpos pelas academias, piscinas e praias com desenhos e frases tatuadas. Independente de sexo, cor ou religião, dezenas de pessoas procuram pela modificação corporal que já criou um novo conceito de comportamento e beleza, reunindo aproximadamente de 35 milhões de pessoas tatuadas no Brasil.
Vale destacar para quem quer fazer a primeira tatuagem, que os procedimentos devem ser feitos com segurança e os cuidados com a pele devem ser mantidos permanentemente.
A maneira correta para dar inicio a uma tatuagem é procurar um bom estúdio, que trabalhe com materiais esterilizados e descartáveis, observar a higiene do local, buscar um tatuador de sua confiança e claro, estar ciente de que toda modificação corporal exige cuidado e dedicação antes e depois de realizada a sessão, afinal, ela é praticamente uma micro-cirurgia.
Segundo o tatuador Washington Brasil, não há nenhum método de remoção ainda seguro, por isso, a pessoa deve ter certeza do que quer. “Ele deve optar por um desenho de expressão e representatividade, para que não haja o arrependimento futuro”.
O cliente deve ainda evitar exposição ao sol nos dois primeiros meses, já que os raios ressecam a pele, dificulta a absorção da tinta e envelhece a tatuagem. A aplicação freqüente de filtro solar é essencial para manter o desenho bonito e protegido.
A alimentação é outro fator importante. Durante 60 dias pelo menos, deve-se evitar alimentos gordurosos e pesados como carne de porco, maionese, chocolate etc. Refeições saudáveis contribuem para uma boa cicatrização e auxilia para que não haja nenhuma infecção após realizada a sessão.
A tatuagem, assim como a moda, segue tendências, o que acaba sendo um ponto negativo para o consumidor. Conforme explicou o tatuador, algumas pessoas copiam desenhos de sites, blog’s e até de personagens globais, implicando um provável arrependimento. Portanto, a originalidade além de garantir a satisfação pessoal, faz toda a diferença na realização de um trabalho.

Valores
Uma fadinha, borboletas, homem aranha ou quem sabe um dragão? As opções de desenhos e formatos não faltam para quem quer fazer uma tatuagem. O que provavelmente irá variar entre elas é o gosto e estilo de cada um. O diferencial também se encontra no preço de cada desenho. Atualmente, o valor mínimo é de R$ 80,00, podendo chegar a mais de R$2.000 dependendo do tempo de trabalho. De acordo com Washington, o preço é acertado diretamente com o cliente, dependendo das sessões realizadas e a quantidade de horas trabalhadas.

7 de nov de 2007

Arrasou!



Como a maioria já sabe, o lançamento da Festa Kitsch foi um sucesso! Na última segunda-feira, o pátio da UDC ficou lotado e não se ouvia outra coisa a não ser elogios, tanto do público quanto dos participantes, que nunca tinham visto uma movimentação tão grande na faculdade.
A participação dos alunos fez toda a diferença e com certeza fará também no dia da festa (14 de novembro na Mansão Green)

No domingo, quando fomos ensaiar o desfile, eu e alguns amigos comentávamos o quanto é legal que estas festas aconteçam, não só pela causa social, mas a integração entre as turmas. Eu mesma, conheci pessoas de outros cursos e já até bebemos uma cerveja no boteco para comemorar (haha)

Assim a coisa realmente anda! O velho ditado de que "A União faz a força" está mesmo comprovado.

Então é isso! Bom dia a todos!

5 de nov de 2007

Pra ver a Banda passar




Em breve, os bairros de Foz do Iguaçu ganharão mais animação aos sábados. O projeto “Pra ver a banda passar” da Fundação Cultural, que percorre todos os sábados de manhã a Avenida Brasil, irá desfilar também em bairros como a Vila “A”, Jardim São Paulo, Porto Meira, Vila Portes, entre outros. Como os empresários de outros centros comerciais vinham solicitando a presença da banda, a FC acatou o pedido, como previsto no projeto inicial. Agora é só esperar e conferir...
Eu já vi a Banda se apresentar na Av. Brasil e sei o quanto é animado fazer compras ouvindo belas músicas.
É como uma terapia! Vale a pena ser passado adiante. Tenho certeza que os iguaçuenzes irão adorar!

1 de nov de 2007

1ª Feira do Livro


Tem início no dia 5 deste mês e segue até o dia 9 a 1ª Feira do Livro, organizada pelo Sesc de Foz do Iguaçu. Desde 1981, o Sesc realiza feiras de livros em todo o país e dessa vez, a cidade ganha, além da feira com preços acessíveis, uma extensa programação, que inclui oficinas de fantoches, contação de histórias e fabricação de brinquedos.
Com objetivo de criar espaços de discussão e apresentação de conhecimentos relacionados à literatura, à produção literária, a obras e autores significativos da produção editorial, são realizadas palestras, minicursos, oficinas diversas e seminários, dentre outras programações, dirigidas aos educadores e/ou promotores de leitura de uma maneira geral. Uma das características principais das feiras é a proposta de atendimento amplo à clientela, buscando não se restringir à comercialização de livros, e sim oferecer um leque de serviços em torno da literatura.


Mais informações pelo telefone: 3576-1300.

31 de out de 2007

Cataratas JL Shopping


Foi inaugurado na manhã desta quarta-feira, 31, o novo e maior empreendimento de Foz do Iguaçu.

Por mais de uma década com as obras paradas, a construtora JL, de Cascavel resolveu investir na tríplice fronteira, e abriu as portas ao público iguaçuense hoje as 11 hs.

A cidade ganha um centro comercial moderno, completo e de qualidade, como destacou o
responsável pelo empreendimento, o engenheiro civil João Luiz Félix.


Geração de empregos
Com as obras do complexo de compras e lazer, cerca de 800 empregos diretos foram gerados e, de acordo com João Luiz, “depois da inauguração, serão mil empregos diretos e indiretos”. São 18 mil metros quadrados de área bruta locável dentro de uma área total de 49,5 mil metros quadrados.

O Cataratas JL Shopping atenderá uma população de aproximadamente 1,2 milhão de pessoas que moram em Foz do Iguaçu, Santa Terezinha de Itaipu, Medianeira, São Miguel do Iguaçu, Missal, Itaipulândia, Santa Helena, Paraguai e Argentina, além de turistas brasileiros e estrangeiros.

O estacionamento tem capacidade para 3,5 mil vagas rotativas e a previsão é de que cerca de 600 mil pessoas passem pelos corredores do shopping mensalmente.
(Com Assessoria)

29 de out de 2007

Exposição
Aliado ao FozHair Internacional 2007, evento que acontece entre os dias 11 e 12 de novembro no Rafain Expocenter, haverá uma feira de artesanato produzida pelo Programa “Arte Nossa” do Provopar-Ação Social do Paraná. Artesanatos típicos das mais diversas regiões do Estado estarão em exposição durante os dias da feira. Além de conferir as novas tendências em cosméticos e tratamentos de beleza, você conhece um pouco mais da cultura paranaense. Vale lembrar que a entrada é franca.

26 de out de 2007


Festa Kitshc
Os alunos de Comunicação Social da UDC promovem no próximo dia 14 de novembro a 2ª edição da Festa Kitshc, que será realizada na nova casa de eventos, Mansão Green. O objetivo da festa é promover manifestações e criações artísticas pertencentes à cultura kitshc e beneficiar o Lar de Apoio a Crianças e Adolescentes de Foz do Iguaçu (LACA). Toda renda do evento será destinada para a instituição que busca melhorar a qualidade de vida de crianças, adolescente e famílias portadoras ou não do vírus HIV. Será uma grande festa e você não pode perder!
Obs: Os ingressos serão vendidos a partir do dia 5 de novembro, apóso o grande desfile de divulgação no saguão e pátio da UDC!
Os alunos estão convidados a participar e prestigiar essa grande festa a partir das 19:00 hs!
Comunidade no Orkut:

25 de out de 2007

INFORMAÇÃO!

Os alunos especiais da APAE de Foz do Iguaçu produziram dezenas de Sacolas Sociais (pintadas à mão) que estão sendo vendidas até SÁBADO, 27, na sede da instituição. Compre já sua e garanta uma vida melhor para centenas de crianças. Ligue para 3523-1617 e faça uma boa ação.

24 de out de 2007

FESTA KITSCH : RESPONSABILIDADE SOCIAL



Os acadêmicos de Comunicação Social da UDC se organizam para a 2º edição da FESTA KITSCH, que será realizada no dia 14 de novembro na mais nova casa de eventos de Foz do Iguaçu, Mansão Green. A festa é o encerramento de uma série de manifestações e criações artísticas pertencentes à cultura kitsch que se darão ao longo do evento.

A 1º edição aconteceu no ano de 2002. Acadêmicos se mobilizaram por uma única causa: ajudar uma aluna com leucemia. Mais de três mil pessoas compareceram a festa e toda a renda foi destinada à família da estudante para auxiliar no tratamento médico. A intenção é repetir a dose, se expressar, se divertir muito, e estimular a responsabilidade social, uma vez que alunos e empresas participam e contribuem diretamente com uma ação humanitária.

Nesta segunda edição, o beneficiado será o Lar de Apoio as Crianças e Adolescentes de Foz do Iguaçu (LACA). Uma entidade filantrópica que busca melhorar a qualidade de vida de crianças, adolescente e famílias portadoras ou não do vírus HIV.

A instituição atende cerca de 300 pessoas por mês que recebem tratamento, acompanhamento médico e todos os cuidados necessários. Segundo a presidente da entidade, Solange Terezinha de Souza, algumas crianças ficam na casa-lar temporariamente e outras permanentemente.

O trabalho do LACA não se reserva unicamente a sua sede. Com a ajuda de assistentes sociais, é feito um trabalho de instrução, ajuda e acompanhamento às famílias dos portadores do vírus HIV. No caso de ser a criança portadora do vírus, elas auxiliam os pais nos cuidados com alimentação e com os remédios. Quando são os pais os portadores, as assistentes sociais vão, a cada 15 dias, até a casa da família para acompanhar e verificar se as crianças estão sendo encaminhadas para escolas e creches.

A casa-lar está passando por reformas, e segundo a presidente da instituição, há pouco tempo à vigilância sanitária visitou o local, e solicitou a modificação no lactário – lugar onde prepara a alimentação das crianças – e na lavanderia, mas o custo de toda essa modificação é cara. “O dinheiro que será arrecadado com a festa virá em uma boa hora, pretendemos usa-lo para terminar as obras, ainda falta fazer o reboco, arrumar o piso e atender as exigências da vigilância sanitária, além de pagar as contas fixas” afirma a presidente.

Cinema


Os apaixonados por cinema têm a chance de realizar o curso de produção cinematográfica organizado por Rônaldy Lemos, em Foz do Iguaçu. Cineasta e realizador áudio visual independente, com larga experiência em mídias variadas, Lemos ministrará o curso durante 8 meses.
Os alunos aprenderão conceitos de interpretação para teatro, cinema e televisão, pré, pós e produção de vídeos, história do cinema, da televisão e da arte, técnicas de edição, coordenação verbal e expressão corporal, linguagem de videoclipes e uma infinidade de técnicas, que vão da história às novas tecnologias em Design.
O projeto visa expor de fato a realidade da cultura audiovisual brasileira através de um inovador curso popular, onde centenas de pessoas farão sua arte se materializar para outras tantas centenas de expectadores.
Os alunos produzirão até o final do curso, um número de 7 a 12 produções audiovisuais em vídeo, tendo como conclusão de curso, o esperado lançamento dos mesmos, bem como a entrega dos certificados.
Para mais informações ligue: 3025-3300.

22 de out de 2007

Aumenta o Som!!!




A Chimarruts foi formada no segundo semestre de 2000 e desde então vêm consolidando sua carreira com hits radiofônicos e shows pelo país


Convicta na criação de músicas próprias, a banda iniciou seu trabalho de forma independente e, pela grande aceitação do público emplacou sucessos como Chapéu de Palha e Iemanjá nas FMs do estado, dando início a uma trajetória de rápida ascensão. Em abril de 2002 lançam o CD homônimo com 14 faixas, todas compostas pela banda. Gravado na Téc Áudio (POA) com produção musical de Rodrigo Rheinheimer (Hard Working) e participações de Paulo Dionísio (Produto Nacional) e Daniel Sá (violonista de Renato Borghetti). Após uma grande vendagem independente, já em junho de 2002, assinaram contrato de distribuição do CD com a gravadora Orbeat Music.

Em fevereiro de 2003 a banda participou do maior evento musical do sul do país, o Planeta Atlântida, dividindo o palco com Paralamas do Sucesso, Gilberto Gil, Papas da Língua, Zeca Pagodinho, CPM 22, Lulu Santos, Capital Inicial e Charlie Brown Jr, para um público estimado em 50 mil pessoas. Em novembro do mesmo ano chegou às lojas o segundo álbum da banda, “Todos Somos Um".
O disco traz canções que falam de natureza, amor, paz e felicidade, características bem marcantes do reggae da Chimarruts. O primeiro single de trabalho deste álbum foi Deixa Chover, que tornou-se hit nas rádios de toda região sul. Destacaram-se ainda as músicas Pitanga, Terapia Solar , Semear o amor e o grande sucesso Saber Voar.

O ano de 2004 começou com uma grande e primeira turnê que a banda fez pelo estado do Paraná, culminando com o showzaço do Planeta Atlântida de Santa Catarina em janeiro para mais de 30 mil pessoas, seguido do Planeta Atlântida RS em fevereiro, onde fizeram um histórico show de encerramento com o dia clareando e aeroplanos dando rasantes sobre as milhares de pessoas que esperaram a apresentação do grupo.

No início de 2005 a banda entrou em estúdio para gravar seu novo CD, lançado em dezembro do mesmo ano. “Livre para Viajar”, título que recebeu o novo trabalho, com 14 faixas inéditas, como Nova Ordem, Versos Simples e Eu Tenho Fé. Produzido por Marcelo Fruet, demonstra a excelente maturidade musical alcançada pela banda.

Durante a Copa do Mundo da Alemanha foi lançada uma coletânea portuguesa que reuniu músicas de bandas de reggae do Brasil, Angola e Portugal. A faixa “O Sol” da Chimarruts está inclusa no CD produzido pela Rádio Fazuma de Portugal em parceria com a Strike Concert. A coletânea é distribuída no Brasil pela Sony & BMG.

Em outubro de 2006, a banda fez as malas e partiu para São Paulo, onde passou uma longa temporada. Durante a permanência da banda em solo paulista, a Chimarruts realizou quase 30 shows em diferentes cidades de São Paulo. Realizou também divulgações nos principais veículos de comunicação e rádios do estado. Em pouco mais de dois anos, a banda já somou mais de 100 eventos somente em São Paulo.

Com participações em programas televisivos culturais e de entretenimento, como MTV Rock Gol, Pulso MTV, Câmbio MTV – entre tantos outros – assim como pautas e veiculação dos clipes Iemanjá e Saber Voar em programas como TVZ e Mandou Bem (Multishow), a banda ganhou mais força e expressão no cenário musical nacional.

De volta ao Sul do país, a banda gravou um DVD - o primeiro da carreira do grupo – na casa de espetáculos Curitiba Master Hall, no dia 30 de junho em Curitiba. O single deste novo álbum, Saber Voar, já assumiu as primeiras posições entre as músicas mais executadas nas rádios de todo país, segundo dados da Crowley. O trabalho, em CD e DVD, está sendo lançado nacionalmente pela gravadora EMI Music.

A Chimarruts é formada por Rafa Machado (voz), Nê (vocais, flauta quena e harmônica), Tati Portela (vocais), Diego Dutra (bateria), Vinícius Marques (percussão), Emerson Alemão (baixo), Sander Fróis (guitarra), Rodrigo Maciel (guitarra) e conta com as participações especiais de Tuzinho (trompete), Boquinha (trombone) e Luquinha (teclados).

(Assessoria)

19 de out de 2007

Ecomuseu de Itaipu completa 20 anos



Para comemorar a data, o museu lançou na noite de terça-feira duas exposições que permanecem até março de 2008


O lançamento das exposições biográficas do argentino Osvaldo Marcon e do intelectual espanhol Vivencia Juan de Lastanosa marcou a noite da última terça-feira, durante a comemoração do aniversário do Ecomuseu. Participaram da cerimônia à diretoria e funcionários da Itaipu, representantes da Holoteca do Centro de Altos Estudos da Conscienciologia (CEAEC), e estudantes da região.
O público que visitar as exposições, encontrará obras e desenhos do argentino premiado em seu país e no exterior, Osvaldo Marcon. O artista, que também é arquiteto, abandona os objetos da realidade e traduz em seu trabalho um diálogo com livros de história da arte, imagens do Renascimento e Barroco italianos. O critério para a seleção de imagens se deu a partir da concentração de informação visual que elas carregam, em formatos curvos, orgânicos e irregulares. O público pode ainda participar das oficinas de desenho e dança (totalmente gratuitas) ministrada pelo artista. O objetivo é agregar interatividade e preservar os bens culturais.
A outra exposição, em parceria do Ecomuseu com a equipe da Holoteca do Centro de Estudos da Conscienciologia (CEAEC), retrata a vida do agitador intelectual, escritor, político, mecenas e arqueólogo-colecionador do século XVII, Vincencio Juan de Lastanosa.
Um dos pioneiros dos “Gabinetes de Curiosidades”, Lastanosa reunia objetos, pinturas, esculturas, mapas, moedas, jóias, fósseis, corais, conchas, insetos e antiguidades procedentes da Ásia, África, América e Europa, além de registrar manuscritos dos livros que colecionou durante cerca de 20 anos. O espanhol, a frente de seu tempo, fez de seu palácio um local de encontro permanente de pensadores, artistas, escritores e cientistas interessados em discutir e debater temas da época. Neste ano de 2007, comemora-se na Espanha o quadricentenário do nascimento de Lastanosa, em evento intitulado “Pojeto Lastanosa: A Paixão do Saber”, promovido pelo Instituto de Estudos Altoaragoneses-IEA.
Durante a exposição, que permanece até o dia 2 de março de 2008, profissionais convidados do Ceaec estarão ministrando oficinas educativas para a população. Os interessados em participar das atividades, devem entrar em contato com Elder ou Antônia pelo telefone (45)3520-6739/ 3520-6664 ou pelo e-mail ecomuseu@itaipu.gov.br.

História
O Ecomuseu de Itaipu recebeu desde sua inauguração, em outubro de 1987, cerca de 900 mil turistas. Diariamente, cerca de 400 pessoas visitam o local que conta a história da ocupação Oeste do Paraná, que se iniciou com os indígenas, portugueses e espanhóis.
O museu relata de forma interativa, a história da construção de Itaipu, com fotos, instrumentos de trabalho do cotidiano, depoimentos em vídeo e objetos de celebrações da Usina. Um dos destaques é a réplica perfeita do eixo de uma unidade geradora da usina, quase em escala natural, que proporciona ao visitante ouvir o barulho do eixo em movimento.
A visita ao Ecomuseu é gratuita. Os horários de atendimento são de terça-feira a sábado, das 8h30 às 11h30 e das 14h as 17h30. Aos domingos, das 14h as 17h30.

18 de out de 2007

Exposições no Ecomuseu



O museu comemorou na ultima terça-feira, 20 anos de criação e para comemorar a data, foram lançadas duas exposições biográficas. Uma delas retrata a vida de Vincencio Juan de Lastanosa, importante colecionador do século XVII e pioneiro dos gabinetes de curiosidades, que reuniam raridades como pinturas, moedas, esculturas, jóias, mapas etc. A outra exposição traz os trabalhos do artista plástico argentino Osvaldo Marcón, premiado em seu país e no exterior, que irá ainda, ministrar uma oficina de desenho e dança. A participação é gratuita e as vagas são limitadas.

Informações: 3520-6739.

16 de out de 2007

A tal da viagem!


Estive em Porto Alegre neste feriado de N. S. Aparecida. Poa era uma cidade que eu tinha a maior vontade de conhecer e os meus curtos três dias já foram bons para eu ver, aprender e contar pra todo mundo um pouquinho da terra amada dos gaúchos.

Saímos de Foz na quinta-feira a tarde e chegamos em Porto Alegre na sexta-feira, perto das 9 hs. Estava louca para tomar um café com leite e então assim que chegamos, fomos direto a uma LANCHERIA (lanchonete aqui). Eu expliquei pro Maurício que queria um café e um queijo quente (aqui em Foz também conhecido como misto quente). Acredito que ele não tenha compreendido, e veio um pão frances com queijo e presunto. Pois bem. Minutos depois ele disse que havia pedido uma "TORRADA", e eu estranhei. Pensei comigo; "Porque cargas d'água esse louco vai comer uma torrada seca de café da manhã". Mas, fiquei quieta.

Chegada a "torrada" do Maurício, observei que era o Misto quente que eu queria. (hehe). Então nem preciso dizer o sarro que eles (os gaúchos) tiraram de mim.

Como, eu, uma iguaçuense, iria entender que um simples queijo quente seria TORRADA lá no Rio Grande amado?! (fala sério)


No primeiro dia passeamos bastante. Ficamos na Rua Farrapos, Hotel Elevado, próximo a Rodoviária.

Andamos por boa parte do centro (creio eu). Passamos pela Catedral,Teatro São Pedro, Mercado Público, umas feirinhas, Prefeitura, Palácio Farroupilha, e o mais emocionante pra mim; a Casa de Cultura Mário Quintana. Fiquei encantada com o lugar, com a história dele, o antigo hotel Majestic, (http://www.cultura.rs.gov.br/principal.php?inc=ccmq), a arquitetura, o ambiente, e claro, tudo o que se referia ao grande poeta brasileiro.


No segundo dia, fomos a exposição de 50 anos da RBS. "NO AR" era o nome da exposição, que fica até o final de novembro na Usina do Gasômetro. Descrever aqui sobre sobre o que é e o que foi pra mim visitar o lugar é impossível. Fico boba pensando como alguém teve criatividade suficiente para por em prática, com todos os detalhes, uma exposição daquelas. Só posso resumir em uma palavra: IMPRESSIONANTE.

Neste dia também fui ao jogo do Grêmio no Estádio Olímpico. Todo mundo sabe que eu não tenho time e faço questão de não ter, pois o futebol não me agrada muito. Mas, em todo caso (e com ingresso ganho), fui ao tal do jogo (Grêmio e Goiás). Chegando lá eu já disse: MAS CADÊ A TORCIDA DO GOIÁS? (hahaha). De certo que algum porto alegrense iria se atrever a entrar no Olímpico quase lotado de gremistas com a camisa do Goiás. Claro que não! No fim, eram gremistas e mais gremistas. (Que sarro)

Entre uma cerveja e outra, eu adorei aquilo. Super animado, divertido e empolgante. Recomendo pra quem nunca foi. Mas só um detalhe, não vá em jogo (Grêmio e Inter), aí dá medo!
final do placar: Grêmio 2 x 1 Goiás.


Terceiro e último dia: (Domingo). Fui ao Parque da Redenção de manhã com pessoas que eu não conhecia, mas que adorei! Fiquei toda faceira com a feirinha de antiguidades. Uma infinidade de livros, lustres, máquinas de escrever, taças de cristal, brincos, bijouterias, pinguis de geladeira (que estavam caros, por isso não comprei pra Festa Kitchi)... Enfim, um lugar maravilhoso. Ideal pra levar a família, os amigos, o namorado para um bom passeio.

Ah! um detalhe: a cidade é cheia de cachorros, no Parque então nem se fala. Mas o povo é educado, e limpa a caca dos animaizinhos. (Ainda bem).

Logo em seguida almoçamos e lá pelas 4 seguimos viagem...


Foi tudo muito bom, apesar do pouco tempo. A viagem foi TRI cansativa, como diriam os gaúchos.. mas no fim, valeu a pena!

Deixo a dica para um bom passeio. Faltou ir a muitos lugares, mas o pouco que pude aproveitar já foi o máximo. Quero deixar um beijo especial ao Tagui, amigo da Izzy que nos recebeu maravilhosamente bem e foi um parceiro formidável de bebedeiras! (cof cof). Muitíssimo obrigada querido!
A Bianca também foi parceira em ir ao jogo comigo! Adorei te ver guria linda!
Por hoje é só pessoal!

10 de out de 2007

Che 40 anos depois: o fim de um mito?



Dono de uma das imagens mais reproduzidas no mundo, a história do revolucionário Che Guevara é recontada por reportagens

Imagine conhecer a história de um herói, ouvi-la durante anos, ver seu rosto estampado em camisetas, pôsteres, filmes e livros. E após 40 anos de sua morte, tudo ser posto à prova novamente.
Não trata-se da história imaginária, e sim de como ela passou a ser interpretada durante muito tempo. Com ajuda da mídia, da propaganda, seria possível mesmo construir um mito? Em recentes reportagens divulgadas em revistas e grandes veículos de comunicação, que trazem a imagem do revolucionário Che Guevara na capa, revelações sobre o temperamento fatalista do guerrilheiro, deixam um buraco na história, que segundo a reportagem, teria sido romantizada.
Verdade ou não, basta conversar com jovens do mundo inteiro para saber que Che, além de ter conquistado o gosto, também sempre foi considerado como um símbolo de resistência e liberdade. Imortalizado pelas lentes de Alberto Korda, o jeito de galã teria contribuído até mesmo na hora da morte, em 9 de outubro de 1967. “Ele parece Cristo”, teriam exclamado as primeiras pessoas que o viram após a saída de uma lavanderia de um hospital.
Mas, o autor da frase “Ay que endurecer, pero sin perder la ternura jamás”, também teria sido conhecido por um gênio totalitário e adepto da crença pela violência política. Tinha fraqueza sim como todo homem feito de carne e osso, mas mantinha, segundo alguns entrevistados, uma fome pela violência. Em certa oportunidade teria recebido uma mãe desesperada atrás do filho de 15 anos, preso por pichar muros com inscrições contra Fidel. Informado de que o adolescente seria fuzilado em dias, ordenou que a execução fosse adiantada para a aquele momento. “Para que a senhora não passe angústia por uma espera longa”, teria justificado.
Antes disso, teria transformado a fortaleza de La Cabaña num campo de extermínio, segundo a reportagem. “Nos seis meses de seu comando, duas dezenas de desafetos foram fuzilados (...) a maioria era apenas gente incômoda”, apontam ao confirmar a minoria formada por agentes.
Em outro trecho apontam o perfil do guerrilheiro como “incapaz de compreender a vida em sociedade aberta e sempre disposto a eliminar a tiros os adversários”. Apontado na história como um talentoso comandante militar, companheiros de guerra afirmam à reportagem que a história na vida real era cercada por imprudências, irascível e rápido em ordenar execuções, “e mais rápido ainda em liderar seus camaradas para a morte, em guerras sem futuro no Congo e na Bolívia”. Além disso, diante de suas diversas investidas, aponta a revolução cubana como seu único sucesso.
Para o mestre em história social, Luiz Eduardo Pena Catta, a discussão e interpretações de matérias como as publicadas na grande imprensa nacional, merecem atenção do leitor. Segunso ele, devido a comemorações alusivas ao aniversário de Che e a visibilidade dada à imprensa à Cuba, esse pareceu o momento histórico de desmistificar o herói. “O complicado mesmo é ver que as fontes são todas da CIA, da direita, sem contar com os jornais e revistas que apostaram nisso. Até mesmo com a biografia de Joli Anderson, recortaram o que interessa. Diz lá no Estadão, que ele era um cara soberbo e severo com os demais, mas o cara era líder revolucionário, era complicado ser bonzinho”.
Para ele, a tentativa da imprensa ocidental em mostrar um lado B, ou desmistificar o mito criado em torno de Che, deve ser vista com olhos atentos pelos brasileiros. “Aqui isso é mais direcionado, querem mostrar para as próximas gerações que a história não foi tão romântica assim, mas qualquer um que lê a história da revolução Cubana sabe disso, sabe como foi”.
Segundo Catta, Che foi um revolucionário que viveu pelos seus ideais, abandonou sua terra e família para se embrenhar na mata boliviana e viver seus sonhos . “Tinha ideais muito arraigados e era convicto no que queria”. O professor ainda revela que justamente durante esse período, havia uma intensa polarização entre o bem o mau, de um lado o capitalismo e do outra a revolução, “e Che passou por cima disso”.
Catta ainda faz um alerta a impressões precipitadas sobre a história. Tem que pensar de duas maneiras; ele era revolucionário e não era ‘bonzinho’, queria colocar em prática e construir uma nova ordem política, outra é que para a visão capitalista ele foi mau, pois lutou contra os Estados Unidos. E hoje o que temos é que a mídia representa os ideais do capitalismo. Acho que não dá para ler nada nesse sentido e achar simplesmente que isso é gratuito”.
Para o jornalista Aluízio Palmar, que integrou as forças do MR8 na década de 60, a discussão deve ir adiante, “ele era um humanista”. Um exemplo desse comportamento vinha com a liberação de prisioneiros durante empreitadas na Bolívia e no Congo.”Para revolucionários, prisioneiro representava mais comida e atraso no percurso. Ele doutrinava, falava sobre a revolução e liberava para que a notícia pudesse se espalhar”.
Palmar lembra da passagem do revolucionário pela cidade. “Foi em 65 ou 66, quando o movimento nacionalista revolucionário tinha base em Foz, e Josá Canzi (falecido) era o cabeça chefe da mesa de rendas, ele que deu apoio ao Che quando passou aqui em direção a Bolívia”.
Não somente as relações como a influência do revolucionário, ainda parecem recentes na memória do jornalista. Quando recebeu a notícia da morte de Che, estava pronto para seguir até o Paraná, “no início não acreditei”. Com a confirmação, o grupo buscou inspiração ao símbolo do sonho, nascia o MR8, “escolhemos 8 pela data de captura”.
Quanto às reportagens, Palmar não desvia, “isso não afeta em nada”.


A matéria é da minha amiga, escritora, poeta, artista plástica e mãe da Izadora e do Enzo; DANIELA VALIENTE.

4 de out de 2007

Frase do Dia




"As piores loucuras são as mais sensatas alegrias.

O que eu fiz hoje, deixei de herança para aqueles que sonham em ser como eu.

Louco, mas feliz!"


Bob Marley

1 de out de 2007

Paciência


Arnaldo Jabor


Ah! Se vendessem paciência nas farmácias e supermercados... Muita gente iria gastar boa parte do salário nessa mercadoria tão rara hoje em dia. Por muito pouco a madame que parece uma "lady" solta palavrões e berros que lembram as antigas "trabalhadoras do cais"... E o bem comportado executivo? O "cavalheiro" se transforma numa "besta selvagem" no trânsito que ele mesmo ajuda a tumultuar...


Os filhos atrapalham, os idosos incomodam, a voz da vizinha é um tormento, o jeito do chefe é demais para sua cabeça, a esposa virou uma chata, o marido uma "mala sem alça". Aquela velha amiga uma "alça sem mala", o emprego uma tortura, a escola uma chatice. O cinema se arrasta, o teatro nem pensar, até o passeio virou novela.

Outro dia, vi um jovem reclamando que o banco dele pela internet estava demorando a dar o saldo, eu me lembrei da fila dos bancos e balancei a cabeça, inconformado... Vi uma moça abrindo um e-mail com um texto maravilhoso e ela deletou sem sequer ler o título, dizendo que era longo demais.

Pobres de nós, meninos e meninas sem paciência, sem tempo para a vida, sem tempo para Deus.


A paciência está em falta no mercado, e pelo jeito, a paciência sintética dos calmantes está cada vez mais em alta. Pergunte para alguém, que você saiba que é "ansioso demais" onde ele quer chegar? Qual é a finalidade de sua vida?

Surpreenda-se com a falta de metas, com o vago de sua resposta. E você? Onde você quer chegar? Está correndo tanto para quê? Por quem? Seu coração vai agüentar? Se você morrer hoje de infarto agudo do miocárdio o mundo vai parar?

A empresa que você trabalha vai acabar? As pessoas que você ama vão parar? Será que você conseguiu ler até aqui? Respire... Acalme-se... O mundo está apenas na sua primeira volta e, com certeza, no final do dia vai completar o seu giro ao redor do sol, com ou sem a sua paciência... NÃO SOMOS SERES HUMANOS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA ESPIRITUAL... SOMOS SERES ESPIRITUAIS PASSANDO POR UMA EXPERIÊNCIA HUMANA...


Então, respire e viva mais, viva bem!

27 de set de 2007

Queridões!


E quem diria que já estaríamos aqui? No começo um bando de tagarelas que não sabiam de nada, querendo dominar o mundo!

Hoje, continuamos querendo dominar o mundo, mas aprendemos alguma coisa!haha

Fico pensando se daqui alguns anos, vou olhar para essas fotos e me orgulhar ainda mais de todas estas pessoas que fazem (e farão) parte da minha vida!

É isso.

Pesquisa revela a realidade da cultura

A cultura ainda está longe de ser um bem básico dos brasileiros e uma prioridade dos governos. Esta é a principal constatação a se fazer, considerando os dados revelados pela Pesquisa de Informações Básicas Municipais (MUNIC 2006), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em parceria como o Ministério da Cultura (MinC). As informações divulgadas contrastam dados comparativos entre os anos de 1999 e 2006.
Conforme o estudo, apenas 4,2% do total de municípios brasileiros dispõe de órgãos específicos para gerir a cultura. Em 72% das cidades, a cultura é gerida através de outras pastas, como de turismo, educação e esporte. Na média, cada município gasta pouco mais de R$ 273 mil em cultura, representando 0,9% da totalidade das receitas.
Estas informações comprovam que a cultura não é tratada como política de estado e carecem de maiores recursos, uma vez que a média de gastos com o setor ficou abaixo do mínimo recomendado pela Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), que é de 1%.
A pesquisa do IBGE mapeou o acesso dos brasileiros a bens e linguagens artísticas e culturais. Nos últimos sete anos, aumentou em 178% a quantidade de cidades com provedores de internet. Em 1999, apenas 16% das cidades estavam digitalizadas, contra 45%, no ano passado.
O país dispõe de mais bibliotecas públicas (16,8%) e menos livrarias. Tem mais lojas de discos e DVD´s, mais videolocadoras, mais televisão e mais cinemas. Contudo, mesmo apresentando aumento no número de salas de exibição, apenas 8,7% dos municípios têm salas de cinema e os festivais, demonstra o estudo, que mostrou ainda que aumentou o número de festivais de cinema, que alcançam hoje, 10% das cidades.
Os municípios brasileiros contam, ainda, com mais museus (41,3%), mais teatros ou salas de espetáculos (54,7%) e a capoeira está presente em quase metade dos municípios, sendo uma das principais atividades artísticas do país

Leia mais: http://www.guata.com.br/index.html

26 de set de 2007

Poesia do Dia!

Todos estes que estão aí...
Atravancando o meu caminho...
Eles passarão...
Eu passarinho.
Mário Quintana

24 de set de 2007

Antropologia e Jornalismo

Os aspectos da cultura de massa tornam o jornalismo cada vez mais fraco, se comparado com grandes produções científicas

Foi o tempo em que profissionais da área de comunicação podiam viajar pelo mundo, descobrir novos horizontes, investigar, obter informações concretas, para daí então, elaborar uma boa matéria e obter várias vantagens com a divulgação da pesquisa. Isso raramente acontece hoje, devido ao mundo consumista em que vivemos. A relação do emissor com o receptor deve ser rápida e eficiente, como a vida urbana e a escala industrial nos obrigam a ser. O que podemos perceber muitas vezes é a superficialidade de matérias e até mesmo a falta de informações contidas.
Fica claro perceber no artigo de Isabel Travancas, reais semelhanças entre as profissões de jornalista e antropólogo. O que se deve frisar é o árduo trabalho de jornalistas no Brasil, principalmente em cidades do interior.
A carga de cinco horas de trabalho por dia, permite ao profissional ter até dois empregos, mas na maioria das vezes, por falta de adaptação ou a própria escolha do veículo de comunicação ao qual ele pertence, não permite.
Em um jornal impresso, por exemplo, o jornalista exerce a função diária de chegar à redação, levantar suas pautas, ler as principais notícias, ir atrás de suas fontes, enfrentar o que vier pela frente, voltar à redação, escrever duas ou mais matérias, sem a certeza de que suas pautas ou matérias podem cair.
Esta manobra contra o tempo pode ser vista diariamente, através de matérias frias ou com pouca pesquisa. Esta padronização, também fruto da indústria cultural, torna a notícia mais um produto, e o jornal, mais uma empresa que pensa e trabalha para garantir lucros. Conduzindo o leitor a um pensamento rápido e lógico, sem ter muito o que questionar (o grande mal da humanidade).
Acredito ainda que o jornalista seja o mediador da sociedade civil e o porta-voz de uma nação, mas no atual momento, o prático ganha destaque.
Como revela o artigo analisado – Jornalistas e Antropólogos – Semelhanças e distinções da prática profissional -, o antropólogo se desloca de sua função de repórter para assumir um lugar do homem público. Ele desfruta de uma liberdade de escolha, pois não precisa entregar a matéria com o prazo de tempo estipulado. A jornalista descreve como “paradigmática” a profissão de um repórter, pois ele não tem a liberdade de escolha, opções e prazos, como tem um antropólogo.
A minha afinidade com o tema e a questão do jornalista e seu papel com a sociedade me fez perceber pontos positivos e negativos, como em qualquer outra profissão. Acredito ainda, que seja de suma importância o papel do antropólogo e sua produção científica com a sociedade. Apenas me entristeço em saber que a nossa vida profissional pode estar baseada em regras e padrões criados por nós mesmos.


- O porquê da escolha do tema
Para que nós, futuros jornalistas possamos debater situações que estão fazendo do nosso trabalho, uma máquina. A realidade está feita sob padrões e regras como a ditada em uma matéria. Se ela for um “furo”, o repórter poderá se destacar; caso contrário, ele deverá seguir padrões de escritas elaboradas pela própria empresa jornalística. Isso me faz pensar em mudanças, em novos conceitos para nossa área. Portanto, a afinidade com o tema vem justamente pela fraqueza dos aspectos vivenciados.

- Apropriações
Dou importância ao desempenho tanto do jornalista quanto do antropólogo pelo trabalho elaborado em cada campo. Creio eu que todos sejam empenhados na produção de um saber científico, mesmo com o poder da indústria atrapalhando a produção jornalística. Por fim, não quero pensar que, mesmo o consumismo diário, sirva para “embrulhar peixe”.

19 de set de 2007

A banalização do Jornalismo Cultural

O não reconhecimento desta linha editorial acaba empobrecendo a imagem e tornando-a carente em estrutura e linguaguem


Thays Petters

O senso comum e até mesmo a imprensa brasileira trata o jornalismo cultural como a prática de emitir opiniões sobre livros, filmes, peças teatrais e novelas, algo decorativo ou secundário. O que poucos sabem é que ele vai muito além das críticas e é, sobretudo, um exercício de aprimoramento e busca da informação.
Embora muitos não agreguem valor ao jornalismo cultural, exatamente por defini-lo como “menor” ao nível de outras edições, já podemos concluir que esta área, além de trazer informações e ganhar jovens leitores a cada dia, é um debate de idéias, é talentoso, exibe criatividade, conceito e estrutura. Ele se destaca pelo diferencial, sem fugir das características de um bom texto jornalístico. E o mais importante; ele vai além do objeto analisado.
Segundo o jornalista e escritor Daniel Piza, autor do livro “Jornalismo Cultural”, o empobrecimento do jornalismo já atingiu as redações, que julgam como “fácil” e “simples” a tarefa de um repórter cultural. Para ele, este julgamento deve acabar. “O conceito de que ‘emitir opiniões é fácil’ é o primeiro item a ser combatido.
Piza já trabalhou no Caderno 2 do jornal O Estado de S. Paulo e na Ilustrada da Folha de S. Paulo . Foi editor do Fim de Semana da Gazeta Mercantil entre 1995 e 2000, quando retornou ao Estadão como editor executivo e colunista cultural. Em seu livro, aspectos históricos unem-se ao atual. A crítica e o passo a passo é “ensinado”, de maneira com que o leitor entenda realmente o jornalismo cultural.
O autor cita no capítulo 2, três formas errôneas de se fazer edições de cultura. São elas: “O excessivo atrelamento à agenda – ao filme que estréia hoje, ao disco que será lançado -; a qualidade dos textos, especialmente dos que anunciam lançamentos, que pouco se diferenciam dos releases, a não ser por alguns adjetivos; e a marginalização da crítica, sempre secundária, com poucas linhas e pouco destaque visual, mais e mais baseada no achismo, no palpite, no comentário mal fundamentado mesmo quando há espaço para fundamentá-lo”.
Não só Daniel Piza, como dezenas de jornalistas têm buscado a cada dia uma maior definição a respeito do tema.
Os desafios, como Piza destacou, não são pouco. Os prazeres também não. Mesmo assim, existe um número respeitável e sólido de leitores interessados em jornalismo cultural de qualidade; havendo sempre espaço a ser criado e recriado com persistência para quem se dispuzer a produzi-lo.


Leia mais: http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/artigos/al080720033.htm

18 de set de 2007

A idade de ser FELIZ

Existe somente uma idade para a gente ser feliz, somente uma época na vida de cada pessoa em que é possível sonhar e fazer planos e ter energia bastante para realizá-los a despeito de todas as dificuldades e obstáculos.Uma só idade para a gente se encantar com a vida e viver apaixonadamente e desfrutar tudo com toda intensidade sem medo nem culpa de sentir prazer.Fase dourada em que a gente pode criar e recriar a vida à nossa própria imagem e semelhança e vestir-se com todas as cores e experimentar todos os sabores e entregar-se a todos os amores sem preconceito nem pudor.Tempo de entusiasmo e coragem em que todo desafio é mais um convite à luta que a gente enfrenta com toda disposição de tentar algo NOVO, de NOVO e de NOVO, e quantas vezes for preciso.
Essa idade tão fugaz na vida da gente chama-se PRESENTE e tem a duração do instante que passa.

Mário Quintana

4 de set de 2007

Jornalismo Multimidia
O cotidiano não só do jornalista, mas das pessoas desse mundo atual, consiste em obter informações no menor espaço de tempo. Infelizmente, vivemos um tempo em que é raro encontrar alguém que possa ler um jornal inteiro pela manhã. Quando muito, essas pessoas são idosos ou aposentados que preferem ainda ler um jornal e assistir a tv do que acessar a internet e obter o mesmo conteúdo "mastigado" em poucas palavras.
No meu caso, não só pelo trabalho, mas pelo contexto em que vivo, é necessário ler o jornal, acessar a internet nas principais páginas de notícias, assistir o jornal do meio dia e quando posso, ver o Jornal Nacional, Globo Repórter, Fantástico e afins.
Como afirma o texto de João Rios e Fernanda Correa, o consumidor já está com comportamento multimídia, sendo rendidos a Sra. Audiência. É ela quem manda, faz e desfaz no atual momento.
Como futura jornalista, em particular, não me agrada esse tal de jornalismo multimídia.
Penso que é realmente necessário um profissional de comunicação ter facilidade em trabalhar nessas áreas diversas (rádio, tv, jornal impresso e internet). Mas, não acredito que seja bom, um jornalista escrever matérias para internet, rádio e ainda apresentar as notícias em tempo real. A qualidade não é a mesma e isso pode ser percebido diretamente pelo receptor. A linguagem de cada área é diferenciada, o que torna ainda mais difícil, um jornalista escrever para cada um e manter o sucesso.
Mas, como o mercado caminha para o modelo multimídia, as empresas terão realmente que se adaptar a essa nova estrutura. Criar novos conceitos de vendas para atingir todos os públicos e acertar a distribuição personalizada.

31 de ago de 2007

Banda Kota Zero

MÚSICA

A nova mistura “Kota Zero” de ser

Banda iguaçuense traz novidades no repertório e caminha para o lançamento do primeiro videoclipe, gravado no Parque Nacional

Thays Petters


Bagagem e história eles já têm. Tanto pelo talento para a música como pelas canções originais que chamam a atenção do público. Agora, divulgar o trabalho para a mídia de todo o país está no caminho deles, que há dez anos na estrada apresentam um som de qualidade a Foz do Iguaçu e região.
A banda Kota Zero — formada por Rodrigo Golçalvez (Magrão) no vocal, Carlos Eduardo (Cueio) na bateria, José Miguel (Miguelito) na guitarra, Luiz Carlos (Gordo) no baixo, Johnnie Rivas na guitarra e nos teclados e Rafael na percussão — já percorreu todo o Sudoeste e o Norte do Paraná, seguindo uma trajetória de grande sucesso, o que possibilitou aos músicos dividirem o palco com grandes nomes do cenário nacional, como Jota Quest, Pato Fu, Tihuana, LS Jack, Dazaranha, O surto, Rumbora, Acústicos e Valvulados, Papas da Língua, Supla, entre outros.
Após o lançamento do primeiro CD, intitulado Muamba da Boa, em dezembro de 2006, a banda, com o apoio da Produtora Vision Art, gravou o clipe Natural, no Parque Nacional do Iguaçu, dando início então ao novo material de divulgação e futuro álbum do Kota Zero.
Ao mostrar um estilo original e com base para novos rumos, os músicos apresentam atualmente um repertório com canções próprias e versões exclusivas, apostando também em covers de artistas nacionais e internacionais, misturados ao pop/rock/reggae/ska.
Com maturidade, carisma e boas energias, o Kota Zero continua na estrada, percorrendo com autenticidade um caminho cheio de desafios, mas muito promissor, como destaca o guitarrista Johnnie Rivas, 27. “Por mais que o tempo mude ou o céu seja diferente, é o nosso sonho que nos persegue, e não a gente que corre atrás dele.” Ele conclui ratificando a firmeza da banda em alcançar seus objetivos. “Não há muito espaço, mas a persistência sempre existe.”
Para o vocalista, Rodrigo Golçalvez, 25, o Kota Zero, assim como as demais bandas iguaçuenses de qualidade, precisa não apenas de mais espaço, como apoio de grandes empresas, ou mesmo de órgãos públicos para a divulgação do material; que no caso da banda, notabiliza-se pelo próprio videoclipe gravado nas Cataratas do Iguaçu.
Como todo bom músico, Rodrigo pretende viver e ter seu trabalho reconhecido a partir da música; por isso ele reforça o apelo aos centros culturais, secretarias municipais e órgãos privados para que acreditem no talento dos iguaçuenses. “Queremos divulgar o nosso trabalho para Santa Catarina e outros estados, mas infelizmente a falta de patrocínio atrasa nossos planos.”

Futuro

Do entusiasmo de três amigos (Magrão, Gordo e Johnnie) pelo grupo Mamonas Assassinas aos palcos de diversas casas noturnas da região. Assim nasceu a banda Kota Zero. Uma brincadeira que virou realidade, ou um sonho sendo construído passo a passo. Na bagagem, histórias do antigo “Twister” (nome substituído há quatro anos) ao sucesso conhecido pela grande maioria dos iguaçuenses.
Os objetivos para 2007 já começam a ser lançados. Primeiramente com a gravação do clipe Natural, que encantou muita gente pelo estilo próprio e identidade marcante dos meninos do “Kota” e que em breve terá seu lançamento oficial com um grande evento.
O novo site (www.kotazero.com) também ganha espaço entre as novidades, oferecendo releases, fotos, agenda dos shows, contatos, downloads de músicas e, em primeira mão, o clipe de Natural.
Apesar de tantas novidades, os fãs não deixam de pedir músicas de autoria da banda, como Suely ou Águas de Deus, além das versões de Exagerado, de Cazuza, e Ando meio desligado, dos Mutantes. O talento deles se revela ainda com os covers de Chimarruts, Natirus, Armandinho, O Rappa, Tihuana, Paralamas do Sucesso e tantos outros.
Quanto ao público-alvo, não há certa definição, já que a banda se apresenta desde festas de casamentos a barzinhos. “O público não está bem definido, pois tanto a galera jovem quanto os mais velhos curtem o nosso som”, garante Rodrigo.

Informações: www.kotazero.com

27 de ago de 2007

SAÚDE

A verdade sobre o Chá verde

Saiba o que realmente acontece com o organismo de quem faz do chá verde um consumo diário


Ele diminui as taxas de colesterol ruim, fortalece as artérias e veias, além de ser uma erva que possui virtudes medicinais e estéticas importantes. O chá verde está ganhando cada vez mais espaço no mercado brasileiro, devido as suas substâncias anti-oxidantes, que evita o envelhecimento celular precoce e tem o poder de prevenir algumas doenças.
A primeira lenda e referência milenar, data de 2737 a.C. e deixou um ar romântico à história do chá verde, também conhecido como banchá. Acredita-se que o imperador da China, Shen Nung, descansava sob uma árvore, quando algumas folhas caíram em uma vasilha de água, que seus servos ferviam para beber. Atraído pelo aroma, o imperador provou o liquido; nascendo assim o chá verde. Mas como toda lenda, é provável que esta também seja fruto da imaginação.
No início do século IX, quando foi introduzido ao Japão por monges budistas, o chá teve uma evolução imensa, abrangendo não só o meio técnico e econômico, como os meios artísticos, poéticos, filosóficos e religiosos, sendo usado até mesmo em cerimônias e rituais. Desta maneira, ele foi estendendo-se ao resto do mundo, somado a ciência que revelou as propriedades terapêuticas e estéticas.

Organismo
Considerado atualmente um aliado da saúde por ser rico em flavonóides – substâncias antioxidantes que ajudam a neutralizar os radicais livres -, responsável pelo envelhecimento celular precoce, também está comprovado que o chá ajuda a diminuir as taxas de colesterol, além de ativar o sistema imunológico.
A Sociedade Brasileira de Médicos Antroposóficos vai além, e defende que consumir chá verde regularmente ajuda a prevenir alguns tipos de câncer, artrose, aterosclerose e outras doenças degenerativas.
Estudos recentes ainda apontam que o chá em creme melhora o sistema de defesa das células contra os raios ultravioleta do tipo B, aumentando a proteção contra o câncer de pele. Além disso, a planta é rica em tanino, que também possui propriedades anti-sépticas, sendo indicada para limpeza de peles oleosas.
Segundo a nutricionista Fabiane Lima, da Clínica de estética “Equilibrium Spa e Saúde”, é preciso atenção ao que a mídia divulga em relação ao emagrecimento. De acordo com a nutricionista, o chá não “ajuda” a emagrecer, como garantem algumas revistas de beleza e estética. “Algumas pessoas atribuem o emagrecimento ao chá, o que não acontece. A perda de calorias se dá em decorrência de uma dieta balanceada, e não apenas da ingestão do chá”.
Para a mestranda em Ciências da Saúde pela UEM e nutricionista, Márcia Fernandes Nishiyama; o emagrecimento acontece de forma indireta, pois o chá estimula o gasto calórico, mas não elimina gorduras, como revela alguns veículos de comunicação. “Não adianta tomar o chá e acreditar no emagrecimento, isso não acontece”, afirma.
Portanto, não beba o chá pensando em obter resultados estéticos. Experimente a bebida do momento e fique em dia com a sua saúde.

A planta
O chá é natural das folhas da Camellia Sinensis, uma erva na qual é possível obter diferentes tipos de chás, dependendo de cada tratamento a que são sujeitas. Entre eles, o chá preto, verde, Oolong, aromatizados, entre outros. Sendo assim, pode ser considerados “chás”, os que levarem na composição o nome da planta.