23 de mai de 2010

Ontem fui julgada sem direito a resposta. Aliás, a resposta já não valia.
E antes de me despedir, pensei: Será que eu começo o discurso sobre amor próprio?
Achei melhor deixar pra lá.
Tem gente que simplesmente não sabe o que é isso.
Nunca fez uso.
Trata do amor como dois.
E ele é um.
A começar por quem o tem. 
Amor próprio pra que? Se muitas pessoas preferem ser assim, fáceis de serem domadas como animais.
Cruas de sentimento.
Nunca tratei meus amigos como objetos. Nunca manipulei as pessoas e tenho horror a quem faça isso.
Portanto, deixo minha conversa para quem tem bons ouvidos e não para quem simplesmente não liga para o fato de existir.

Nenhum comentário: