31 de mai de 2008


"(...) O que obviamente não presta sempre me interessou muito. Gosto de um modo carinhoso do inacabado, do malfeito, daquilo que desajeitadamente tenta um pequeno vôo e cai sem graça no chão." -


Clarisse Lispector

(L)

Estou feliz por estar aqui
agora é só botar o trilho no barulho da concha
Estou feliz por estar aqui
agora é só botar o trilho no tubo da onda
a vida o mar ensina
resurgencia cristalina
onda do arraial
cigana em outra vida
pode crê que essa menina é meu bem meu mal

30 de mai de 2008

O que será que será?

29 de mai de 2008

Hai Cai

Hoje de manhã, a redação do jornal recebeu mais uma edição da Revista "Escrita" - uma publicação da Associação Guatá - Cultura em Movimento - , produzida aqui mesmo, em Foz do Iguaçu e com a colaboração de dezenas de pessoas, entre eles, jornalistas, publicitários, fotógrafos, poetas, estudantes e artistas.
Meu amigo Carlos Luz, do qual tenho o imenso prazer de ser colega e companheira de TCC, faz parte do conselho editorial da revista, que particularmente, eu adoro.
Encontrei uma poesia do Carlos traduzida para o espanhol, e algumas páginas a frente um Hai Cai da minha amiga Chung.
O mais legal é que eu nem sabia que ela escrevia... só fico sabendo assim, de repente, mas da melhor forma possível!
Então, escrevo ele aqui, para que vocês conheçam um pouco do talento dessa menina linda!

"Estou do outro lado do mundo olhando nuvens,
as nuvens representam meu sentimento
as nuvens estavam mudando de forma
Eu mudara."

(Chung Chin Huang é acadêmica de Jornalismo em Foz do Iguaçu, Paraná)


28 de mai de 2008

Ahhhh o amor!


Sabe aquele velho ditado "Que seja eterno enquanto dure...".
Bom, ele é meio clichê, isso é verdade. Mas pra mim, sempre funcionou muito bem.
Tive namorados que hoje são grandes amigos, e se alguém não acredita nisso, o problema não é meu. Certo?
Agora pouco estava pensando nisso e bateu um flash back na minha cabeça, ao começar pelos meus 16 anos, quando tive meu primeiro namorado e achei que aquele alí, seria o homem da minha vida; e logo em seguida vieram paixões que fizeram eu perder a fala!
Todos esses amores foram intensamente vividos, por mim, e para minha sorte, pela pessoa que estava comigo. Tudo o que eu podia fazer eu fiz, e deve ser por isso, que hoje fico satisfeita.
Nunca fui orgulhosa e nem obedecia minhas amigas quando elas diziam: "Não saia com ele".
Eu fazia sempre o que meu coração mandava; foi assim que aprendi e é assim que sigo até hoje.
Comigo não existe essa de fazer charminho, ou como alguns preferem dizer; "fazer cú doce".
Eu estava sempre alí, pronta pra ajudar no que fosse necessário, mas também, com aquela certeza de que teria um colo pra deitar, uma companhia para a pizza e o cinema, além daquelas festas em família e do bate papo por telefone!
Enfim, sempre conheci pessoas boas. Aprendi com elas e acredito ter ensinado alguma coisa também.
Um namoro é mais que mil provas de amor, e todo mundo sabe disso.
Um namoro é compaixão, sensibilidade, companheirismo, respeito e amizade.
E isso eu tive de sobra!
Hoje, me sinto muito feliz em poder contar com essas pessoas, que de uma forma ou de outra, fizeram parte da minha vida!

27 de mai de 2008


"Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato... Ou toca, ou não toca".

Clarisse Lispector


26 de mai de 2008

Segunda-feira é o dia!


Aquele dia em que a vontade maior é que o mundo pare pra você dormir mais 15 minutinhos.
No meu caso, queria passar a manhã toda enrolando na cama!
O que eu mais gosto é acordar, ligar a televisão e só depois de uma hora mais ou menos pular da cama.
Fiz isso ontem! Acordei as 11h30, fui almoçar e voltei a dormir era umas duas da tarde.
Quando acordei, fiquei assistindo as 500 milhas de Indianápolis (eu não entendo absolutamente nada, mas adoro! fazer o quê!). Então levantei, tomei um banho e meu dia "começou"!
Hoje estou sem inspiração para escrever, mas continuo pensando em alguma coisa boa.
Provavelmente ficarei atrasada, mas tá tudo bem, tá tudo certo! hauahaua
Mesmo assim, a vontade de uma cama bem gostosa ainda fala mais alto!
Bom dia! (L)

24 de mai de 2008

Musiquinha

Quando eu me perco é quando eu te encontro
Quando eu me solto seus olhos me vêem
Quando eu me iludo é quando eu te esqueço
Quando eu te tenho eu me sinto tão bem
Você me fez sentir de novo o que eu
Já não me importava mais
Você me faz tão bem
Você me faz, você me faz tão bem
Quando eu te invado de silêncio
Você conforta a minha dor com atenção
E quando eu durmo no seu colo
Você me faz sentir de novo
O que eu já não sentia mais
Você me faz tão bem....
Você me faz, você me faz tão bem....
Não tenha medo
Não tenha medo desse amor
Não faz sentido
Não faz sentido não mudar
Esse amor
Você me faz, você me faz tão bem

23 de mai de 2008

El Pasado

Assisti ontem o filme "El Pasado" do diretor argentino, naturalizado brasileiro, Hector Babenco (o mesmo diretor de Carandirú, Pixote e o Beijo da mulher aranha)
O drama, adaptado da obra do escritor argentino Alan Pauls, traça uma trágica história se separação, angústia e amor.
Segundo o diretor; "Uma história na contramão de tudo o que se faz no cinema contemporâneo"
Quem tiver interesse; vai aí a sinopse do filme!
Rímini (Gael García Bernal) é um jovem tradutor que terminou recentemente um casamento de 12 anos com Sofia (Analía Couceyro), sua 1ª namorada. A separação foi tranquila, até Rímini iniciar um namoro com Vera (Moro Angheleri), uma modelo de 22 anos. Um dia Sofia tenta beijá-lo à força, o que faz com que Vera, que presenciou a cena, morra atropelada. Um ano depois, já refeito, Rímini se casa com Carmen (Ana Celentano), sua parceira de tradução. O trauma da morte de Vera lhe rendeu uma amnésia misteriosa, que o faz se esquecer dos idiomas que precisa traduzir no trabalho. Ajudado por Carmen e pelo nascimento de seu filho, Lúcio, Rímini precisa se adaptar à sua nova realidade de marido dependente. Até que Sofia mais uma vez retorna à sua vida, sequestrando Lúcio e atraindo Rímini a um hotel de encontros.
Um belo filme sobre a impossibilidade da separação.
Mais detalhes no site.

21 de mai de 2008

As cores!


Tem dias que nada combina!
Ontem depois do almoço, revirei meu guarda roupa para achar uma peça que combinasse com meu dia.
Sim... eu sigo as cores, vou de acordo com meu humor e com o que acredito ser compatível.
Depois de muitas calças, blusas, camisetas, tênis e sapatos jogados em cima da cama, resolvi procurar no guarda-roupa da mamis, e encontrei uma batinha preta que seria ideal para o meu dia, já que eu estava meio deprê mesmo.
- Não que o preto remeta a tristeza, mas quando você não está na vibe, parece que ele ajuda -
Então, fui trabalhar e perto das quatro horas da tarde, queria voltar para casa e trocar de roupa.
Não estava bem daquele jeito, sei lá =/
No final, continuei com aquela roupa e fui pra aula...
Quando encontrei o Petruquio, ele soube exatamente como estava meu espírito, porque ele, assim como eu, ambém acredita nessa de cores!
Então ele disse pra eu me animar e colocar um rosa!
Aí já seria um exagero! Eu quase nunca uso rosa... e devo ter apenas uma blusa dessa cor.
Em todo o caso, hoje estou de branco!=D

20 de mai de 2008

Salve o AMOR, Salve a AMIZADE!

Essa foto representa o que você pensou. Uma tarde com amigos, cervejas e muita música...
Pra mim, é o essencial! Não preciso de mais nada pra um final de semana bem gostoso!
Gostei dessa foto pelo sorriso de todas as pessoas, pelo carinho que tenho por elas, pelo colorido e pela amizade!
Queria aprender a tocar violão pra não pedir pro Zé ou pro Léo tocarem qualquer música.
As vezes eu sou chata com isso! (hehe)
Mas enfim, essas companhias são maravilhosas! A risada é coisa que não falta e no final, tudo sempre acaba bem!
Um beijo pra vocês!

17 de mai de 2008

Mais vida para as praças e parques de Foz do Iguaçu

Com esse título, o site Megafone divulgou uma matéria esta semana, chamando a atenção da população e principalmente dos órgãos responsáveis sobre a situação dos parques, bosques e praças da cidade.
Lendo a matéria fiquei assustada ao saber que Foz conta com 42 "praças". Pra mim, só existiam umas três ou quatro...(Olha o absurdo)
O que quero, é deixar a minha indignação quanto ao problema, que já é antigo, mas envolve todos nós.
Eu sou uma pessoa apaixonada por praças, parques, feiras e tudo o que estiver relacionado com a arte. Gosto de ir na feirinha comer pastel e tomar café; comprar revistas antigas, ver os artesanatos e levar um pão caseiro e um queijo pra casa.
Gostaria de poder sentar em um banquinho de praça depois do almoço e conversar com um amigo.. (O andré por exemplo, que sempre me acompanha nos passeios mais repentinos). Além disso, queria segurança, para fazer isso com tranquilidade.
Como iguaçuense e apaixonada por essa cidade, tenho pena de ver uma situação dessas.
Lembro de muitos eventos que aconteceram e ainda acontecem na Praça do Mitre (Praça das Nações), mas fico pasma a cada encontro que reunem banda, coral, autoridades e daqui dois dias esquecem tudo, ou... destroem tudo, como aconteceu recentemente.
Se até os lixos sumiram, quem dirá as madeiras dos bancos.
Daqui uns dias estarão arrancando as flores, jogando terra pelas calçadas e pichando árvores (se é que já não fazem).
Outro problema também está no Zoológico Bosque Guarani.
Sinceramente, aquilo não pode ser considerado um atrativo turístico. Só de passar perto, é possível sentir o FEDOR daquele lugar.
A última vez que entrei no parque, vi sujeira e lixo por muitos lados. Sem contar a dó que tenho daqueles animais.
Desculpe-me os administradores do local, mas eu não indico a ninguém que conheça o Zoológico.
Já que o turismo está no auge e a divulgação não pára, que tal dar uma investida a mais no cartão postal da cidade?




16 de mai de 2008

Acorda Brasil!


ITAIPU - Exigências do novo presidente do Paraguai.

Senhor Senador Cristóvão Buarque,

O senhor afirmou, da tribuna do Senado Federal, o seguinte: 'Não podemos simplesmente negar ao Paraguai o direito de pedir o reajuste. Nós não podemos esnobar o Paraguai. Até porque temos uma dívida com esse nosso país vizinho, já que há 138 anos matamos 300 mil de seus cidadãos [na Guerra do Paraguai]. Em proporção, seria como se matassem nove milhões de brasileiros - ponderou Cristóvão'.
É muito estranho, senador, e causa preocupação ouvir de um senador da república tal afirmativa. E é estranho por dois motivos: a) O senhor não tem conhecimento da história e está equivocado ao afirmar que o Brasil matou 300 mil paraguaios; b) O senhor tem conhecimento da história e, por conseguinte, está mentindo.
Ambas as hipóteses o desqualificam para exercer o alto cargo de senador da república. Quando um senador da república se dirige à nação da tribuna do Senado Federal para afirmar uma asneira deste porte, francamente, não tem condições de estar onde está. Está trabalhando contra o país, contra o seu povo, quando o seu dever sagrado deveria ser o contrário. A guerra do Paraguai, da qual o senhor culpa o Brasil, inclusive imputando-lhe 300 mil mortes, foi provocada pelo ditador Solano Lopes, cujas ambições expansionistas o fizeram invadir a Argentina, que lhe negara o uso do seu território para chegar até Uruguaiana. A Argentina então declarou guerra ao Paraguai, dando início a um conflito ao qual se juntariam o Brasil e o Uruguai no que ficou conhecido como a Tríplice Aliança. O Paraguai contava àquela altura com um exército de 77 mil homens, enquanto o efetivo brasileiro não passava de 18 mil, o que obrigou D. Pedro II a organizar apressadamente as forças brasileiras para fazer face a agressão. Sem entrar em detalhes, para não me alongar, quero informá-lo que das 300 mil mortes de paraguaios que o senhor imputa ao Brasil, a fome, a cólera e a malária foram responsáveis por 70%. Em combate mesmo, o Paraguai perdeu metade do seu exército, enquanto o Brasil perdeu 30 mil. E as perdas paraguaias aconteceram em razão da estupidez do ditador Solano Lopes que, instado a se render posto que já estava derrotado, com Assunção invadida pelas tropas brasileiras, levou a guerra às últimas conseqüências conduzindo o que restava de suas tropas combalidas e, àquela altura composta de adolescentes e até crianças, a Cerro Corá, onde se deu a batalha final. Solano Lopez jamais aceitou negociar a paz e a guerra só acabou com a sua morte. O Brasil não conquistou territórios do Paraguai, apenas reinvindicou suas fronteiras anteriores. O tratado de paz, assinado em 9 de janeiro de 1872, estabeleceu dentre outras coisas, como a navegação livre pelo rio Paraguai, uma indenização a ser paga ao Brasil, dívida esta que foi perdoada em 1943 pelo governo brasileiro. Vê-se, portanto, que o grande culpado pelo massacre do seu povo foi o próprio ditador Solano Lopes, tendo o Brasil apenas respondido à altura uma agressão sem sentido. Seguindo a lógica do seu raciocínio, os aliados da segunda guerra mundial devem pagar uma indenização a Alemanha pelo fato de Hitler ter perdido a guerra. Ainda seguindo a lógica do seu raciocínio, as atuais gerações devem pagar pelos erros por acaso cometidos por governantes em gerações passadas. Assim, não me surpreenderia se o senhor defendesse que a atual e futuras gerações de italianos continuem pagando aos países conquistados pelo Império Romano pela avidez de seus imperadores. Mas como o próprio presidente Lula já declarou algumas vezes que o Brasil tem uma dívida para com a África em razão da escravidão, nada mais me admira. Só quero declarar peremptoriamente que eu jamais possui um escravo, assim como nenhum brasileiro vivo na atualidade. Senador, acorde! O povo brasileiro atual, do passado e do futuro, pagaram, estão pagando e pagarão a enorme e infindável conta que lhes foi colocada sobre os ombros por uma plêiade de governantes irresponsáveis, corruptos e sem visão de futuro, incluindo o atual. E o senhor ainda quer aumentar essa conta? Quanto a Itaipu, senador, foi o pior negócio feito pelo regime militar e é fácil de se explicar. O complexo Itaipu foi totalmente custeado pelo Brasil. O Paraguai não desenbolsou um centavo de guarani. O acordo firmado deu ao Paraguai o direito a 50% de toda a energia gerada pela usina. Como o Paraguai não tem capacidade para utilizar toda essa energia, o acordo estabelece que a sobra seria vendida ao Brasil a preço de mercado, e não a preço de custo como estão dizendo alguns esquerdopatas. O Brasil sempre cumpriu rigorosamente a sua parte, pagando integralmente ao Paraguai o excedente desses 50% sem descontar sequer as despesas de manutenção da usina. Pergunto-lhe, senador: quem fez o melhor negócio? E quem ainda está usufruindo desse negócio da China? Com certeza não somos nós. Talvez o senhor ache mais justo o Brasil entregar a usina ao Paraguai de mão beijada e passar-lhe a comprar a energia de que necessita, a exemplo do que a Petrobrás fez com as duas refinarias de petróleo que ela instalou na Bolívia, tudo isto em nome da ideologia que une o atual governo brasileiro a los hermanos andinos. Convém lembrar, senador, que Itaipu custou 6 bilhões de dólares à época em que foi construída, dinheiro este tomado emprestado no exterior e pelo qual até hoje pagamos porque, compromissos como este, somados aos da construção de Brasília e outros que atenderam a megalomania de governos passados deram origem ao monstruoso endividamento que hoje impede o desenvolvimento do país. Convém lembrar também que, caso o governo resolva atender a reinvidicação do hermano, o preço da energia, que no Brasil custa mais caro do que a energia produzida por usinas nucleares em torno do mundo, terá que ser reajustado e quem pagará a conta será o povo brasileiro. A menos que o senhor e seus pares da esquerda resolvam bancar a conta, o que com certeza não lhe passa pela cabeça. É fácil, senador, fazer proseletismo político demagógico com a carteira dos outros. Convém lembrar também, senador, que o contribuinte brasileiro, já escorchado por uma verdadeira derrama fiscal, lhe paga o salário e todas as suas mordomias para que o senhor defenda o Brasil, e não estados alienígenas. Dito isto, quero lhe dar uma sugestão: se o senhor sinceramente quer fazer um bem ao Brasil e ao seu povo, renuncie ao seu mandato e volte a sua cátedra na universidade. Lamentando pelos seus alunos.
Indignadas Saudações,
Otacílio M. Guimarães

13 de mai de 2008

Quando tudo pede um pouco mais de calma....

11 de mai de 2008

Feliz Dia das Mães!


E desde então, sou porque tu és
E desde então és
sou e somos...
E por amor
Serei... Serás...Seremos...

Pablo Neruda

Te amo!

8 de mai de 2008

O quase

Ainda pior que a convicção do não, e a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase. É o quase que me incomoda, que me entristece, que me mata trazendo tudo que poderia ter sido e não foi.
Quem quase passou ainda estuda, quem quase morreu ainda está vivo, quem quase amou não amou.
Basta pensar nas oportunidades que escaparam pelos dedos, nas chances que se perdem por medo, nas idéias que nunca sairão do papel por essa maldita mania de viver no outono.
Pergunto-me, ás vezes, o que nos leva a escolher uma vida morna; ou melhor, não me pergunto, contesto. A resposta eu sei de cor, está estampada na distância e frieza dos sorrisos, na frouxidão dos abraços, na indiferença dos “Bom Dia” quase que sussurrados.
Sobra covardia e falta coragem até para ser feliz.
A paixão queima, o amor enlouquece, o desejo trai.
Talvez esses fossem bons motivos para decidir entre a alegria e a dor, mas não são.
Se a virtude estivesse mesmo no meio termo, o mar não teria ondas, os dias seriam nublados e o arco-íris em tons de cinza. O nada não ilumina, não inspira, não aflige nem acalma, apenas amplia o vazio que cada um traz dentro de si.
Não é que fé mova montanhas, nem que todas as estrelas estejam ao alcance, para as coisas que não podem ser mudadas resta-nos somente paciência, porém, preferir a derrota prévia à duvida da vitória é desperdiçar a oportunidade de merecer.
Pros erros há perdão; pros fracassos, chance; pros amores impossíveis, tempo. De nada adianta cercar um coração vazio ou economizar alma.Um romance cujo fim é instantâneo ou indolor não é romance.
Não deixe que a saudade sufoque, que a rotina acomode, que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando... porque embora quem quase morre está vivo, quem quase vive já morreu.

Luiz Fernando Veríssimo

6 de mai de 2008

Desejos...
Desejo a você Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua Cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não Ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu.
Carlos Drummond de Andrade

5 de mai de 2008

Hum..


"Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida".
Clarice Lispector


Porque hoje eu acordei inspirada e poética. Aliás, mais inspirada do que poética; porque eu só sei apreciar mesmo!
Bom dia babys!